segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Meu gosto já não te serve.
E à ninguém mais serve.
Meu corpo caminha só,
por entre tranças e suores,
ruas e vielas.
E, por essas, serve de consolo à alma ferida,
um sorriso e abraço apressados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário